segunda-feira, 22 de abril de 2013

DESAFIOS

A vida do ser humano é cheia de desafios...cheia de altos e baixos...às vezes acordamos nos sentindo o próprio cocô do cavalo, e outro dia de repente acordamos nos sentindo o ser humano mais lindo, mais chic, importante e amado da face da terra...vai entender a mente humana...mas, enfrentamos desafios diários, independente de como acordamos os desafios existem, e existem para serem enfrentados, confrontados e vencidos...desistir???? nunca!!!!!
Nós seres humanos somos fortes, somos ousados, somos capazes de transpor barreiras e cantar vitórias na cara do inimigo...somos capazes de nos superar,quando achamos que não iremos conseguir...somos seres inteligentes, dotados de dons e estratégias que nos permitem a  sobrevivência nesta selva de pedra cheias de desafios, que se chama terra, mundo.
              

DESAMOR DO AMOR


Como podem os poetas fazerem versos? como podem?..como podem se intitularem poetas? Até isso? Roubam de alguém os sentimentoa, e sem compaixão os verseiam.
Longe de imaginar que estão roubando algo que nunca tiveram...Olham o pôr do sol e o acham lindo,versos nele. Sentam-se à luz da lua cheia e dela fazem mil versos, mil coisas...
Antes, quando não se sabia escrever, havia sim poesia...isso sem que o homem falasse ou lesse...Lá, muito lá, nos anos mais tenros desta benta terra, começou o homem a pensar, ser dono, e fez de tudo versos, sonetos.
Esbanjaram nas sextilhas, repentes, e improvisações, poéticas é claro. Assim foi que começou o desamor do amor...lindo era, quando criança ouvia se falar em Romeu e julieta. Bisbilhotava o namoro da irmã ou do irmão  sem quê nem porquê.Esperança que pudesse dizer coisas belas como eles...
Rio, hoje rio de tudo aquilo, pois para quem eu poderia falar poéticamente? Já não sou mais uma criança..já não sou aquela criança...que inventava.. criava um amigo, um namoradinho imaginário..aquela criança que beijava  a própria imagem no espelho e imaginava alguém em sua pureza de mente infantl....Hoje tudo isso tornou-se um ser distante, virou fluído em minha mente...
Olho agora no espelho de minha alma e vejo no fundo dos meus olhos....matei também a poesia que havia em mim?..não tenho respostas...tenho sonhado sonhos já por mim sonhados...Mas, desde quando se mata algo que é eterno? Aí é que está o infinito da minha poesia....sempre haverá...