sábado, 11 de junho de 2016

A LIÇÃO DO ABACATEIRO

A lição do abacateiro

Havia no meu quintal um abacateiro que produzia pouquí­ssimos frutos.
Por acreditar que uma árvore frutí­fera precisa ser produtiva, pedi a Deus que abençoasse aquele abacateiro permitindo-lhe frutificar bastante.
A florada aconteceu e o abacateiro se encheu de centenas de frutinhos.
Quando eles já estavam grandes, para surpresa minha, o galho central, com 69 abacates, quebrou.
Um outro galho também, por não suportar o peso, acabou caindo, levando tantos outros frutos.
Fiquei perplexa!
Deus havia permitido que o abacateiro ficasse recheado de frutos e logo depois quebrasse, sem que eu os aproveitasse. Por quê?
A resposta veio logo.
Nem sempre temos estrutura para suportar o tamanho da bênção que pedimos a Deus.
Por isso, muitas vezes precisamos esperar algum tempo para recebê-la.
Ela só virá quando nossa vida estiver profundamente enraizada no terreno fértil da fé emJesus Cristo, enrijecida pela leitura constante da Palavra de Deus, fortalecida pela seiva da oração e produzindo os frutos abundantes da presença de Deus em nós.
Assim, na certeza de que a glória não é nossa, mas do Senhor Jesus, não sucumbiremos ao volume da bênção.
Querido Deus, fortalece nossa vida e ensina-nos a firmá-la nos Teus propósitos eternos, a fim de que, submissos ao Teu querer, estejamos preparados para abençoar e ser abençoados!
Pensamento para o dia:
Será que estamos preparados para receber a bênção que pedimos a Deus hoje?
Cely Pereira Gonçalves


Texto publicado na revista “No Cenáculo”, Editora CEDRO.,em                    

O PERIGO DO TABACO

O PERIGO DO TABACO

Cem mil brasileiros morrem por ano vítimas do tabaco

Três milhões de pessoas morrem, todos os anos, vítimas dos males provocados pelo fumo.. Os dados foram levantados pela organização mundial de saúde (OMS), que informa ainda que um terço destes óbitos acontecem em países subdesenvolvidos, onde o consumo de cigarros cresceu 70% nos últimos 25 anos. Entre estas mortes, 100 mil são de brasileiros. Nos próximos 20 anos, sete milhões de óbitos estarão relacionados ao tabaco.Em nações onde as estatísticas são rigorosas, dois milhões de mortes são atribuídas ao cigarro, sendo que três quartos delas ocorrem entre homens.
Para se ter uma idéia da gravidade do problema, o OMS tem outros dados. O uso do tabaco é responsável por até 95% dos cânceres de pulmão entre os homens.
Projeções indicam que no ano de 1995, o tabagismo foi responsável por 90% das mortes por este tipo de câncer entre as mulheres.Mas não é tudo. O que as pesquisas mostraram é que 50% de todos os cânceres estão relacionados ao uso frequente do fumo, assim como 80% das bronquites crônicas e enfizema pulmonar, e 25% das mortes por doenças cardiovasculares. De maneira geral, é possível afirmar que o tabagismo é a causa de 30% das mortes por câncer em todo o mundo industrializado.

As primeiras Práticas Educacionais com características modernas em relação aos negros no Brasil.

As primeiras Práticas Educacionais com características modernas em relação aos negros no Brasil.

Resumo

O estudo teve como objetivo analisar caráter histórico das primeiras práticas educacionais, com características modernas, que foram dirigidas aos negros no Brasil. O assunto tomado para análise, abrange período em que se processa a abolição do trabalho escravo, mais especificamente, o iniciado a partir da promulgação da Lei do Ventre Livre, de 1871.
Lei esta que estabeleceu que crianças nascidas de mulheres escravas passassem a ser consideradas de condições livres.
Em meio às condições para a libertação das crianças nascidas de mulheres escravas, surgiu um intenso debate a respeito da educação como dimensão complementar do processo de abolição do trabalho escravo.
Houve a preocupação, da parte de parlamentares, em associar a libertação do ventre a um conjunto de mudanças relativas à educação.
Entendiam eles, que para inserir essas crianças na esfera da liberdade, fazia-se necessário dirigir, a elas, uma educação diferente da que usualmente se praticava durante a escravidão.

Segundo o autor, Perdigão Malheiros, a libertação do ventre e a educação, são articulados de forma clara sendo que a educação chega até mesmo ser tratada como uma dimensão complementar do processo de abolição do trabalho.
No entanto, a articulação entre abolição do ventre não foi colocada em destaque paraproteger as crianças que nasceriam livres.
Para Malheiros, o que verdadeiramente expressa, é a tentativa de minimizar o impacto que o fim do trabalho escravo poderia gerar no perfil da sociedade brasileira, que receberia um número significativo de indivíduos originários do cativeiro na condição de cidadãos livres.
Com isso, percebe-se que a lei do ventre livre e a educação causaram impacto devido à libertação dos escravos, com certeza correriam atrás de bens melhores para cada um e assim, não seriam mais humilhados e faria tudo aquilo que desejassem.
Malheiros diz que a responsabilidade de educar era vista como um problema, pois e
evidente que os senhores não estavam dispostos a assumir tal compromisso em relação aos filhos de escravas.
Dessa forma, entendemos que os senhores não queriam assumir o compromisso com os filhos de escravas em relação a educação, devido a preocupação de um dia essas crianças nascidas de escravas, pudessem vir chegar a ocupar um espaço na sociedade da mesma forma que os filhos ou os senhores ocupavam.
Assim, a posição manifestada no próprio parecer enviado a Câmara dos Deputados, exprime a consciência dos representantes nos interesses dos senhores de escravos, de que a libertação do ventre não poderia vir associada a uma mudança efetiva do status das crianças que nasceriam livres.
Devido a obrigação que os patronos tinham não só de tratar os filhos de suas escravas como pessoas livres, mas também de dar-lhes educação, não concordamos com Malheiros, em dizer que isso se tornava uma discórdia, pois assim, as práticas que regiam o mundo do trabalho se dividiriam.
Sendo assim, concordamos com Rodrigo A, Silva, que diz que essas crianças poderiam ser retiradas do trabalho produtivo para receberem instruções e isso afetaria os lucros dos senhores, como despertaria o descontentamento entre os escravos que não pudessem ser beneficiados.
A critica em relação aos procedimentos educacionais que eram dirigidos aos escravos, foi um dos aspectos mais interessantes desse debate. Mas o que de fato caracterizou as discussões sobre a libertação do ventre, foram odes taque dada a necessidade de introduzir novos procedimentos educacionais que contemplassem os negros.
Reivindica-se a utilização de praticas educativas com características modernas, colocando em evidência a necessidade de escolarização e difusão da instrução para os escravos e seus descendentes.
Ainda em torno da questão educacional, esses debates levaram-nos a estabelecer algumas atribuições do Estado em relação às crianças que nasceriam livres de mulheres escravas.
A parti de 1871, o governo do império, através do ministério da Agricultura, desenvolveu uma política publica cujo objetivo era educar as crianças libertas pela lei do ventre livre.
Como resultado dessa política surgiu algumas instituições voltadas para educação dessas crianças.



CONCLUSÃO

Nesse sentido, a analise que realizamos confirma que esta permitida compreender anova configuração que adquiriu a educação dos negros durante o período abolicionista, ao analisar praticas educativa, buscando identificar papel dessas praticas, tendo em vista as profundas mudanças que ocorriam na sociedade brasileira.
Mas por outro lado, o que nos leva a crer, que entre essa consciência e a atitude de não tornar a educação um bem acessível ao individuo oriundo do cativeiro, o que verdadeiramente se construiu foi  uma determinação de incluir os escravos e seus descendentes de forma absolutamente marginal da sociedade organizada a partir dotrabalho livre.







EDUCAÇÃO INFANTIL 1

INTRODUÇÃO


Este trabalho é um trabalho de estágio supervisionado realizado com o propósito, de cumprir as exigências curriculares do curso de Pedagogia, ou seja, observar a atuação dos educadores e o desenvolvimento dos alunos daeducação infantil. Este estágio foi realizado na escola CEIF Margarida Bruno de Avelar, no período de 06 de junho a 21 de junho. Este trabalho será composto por observações diárias e participações nas atividades em classe, contribuindo para o bom direcionamento e desenvolvimento das aulas ministradas pelo professor atuante.
Foi observado que, o trabalho dos professores da Educação Infantil, é um trabalho muito cuidadoso, em relação à segurança e bem estar dos alunos desta faixa etária. Os alunos ao chegarem, são recepcionados com muito carinho e atenção, em seguida, guardam seus materiais e é dado inicio as atividades, como o momento da rodinha, a conversa informal onde é falado para o aluno sobre como está o dia, o tempo, mês e ano, hora da historinha,atividades com massas de modelar e etc. Atualmente a escola é dirigida pela seguinte equipe: A Srª Leci Barata, como diretora; Elizabeth Avelar como coordenadora pedagógica e Isabela Avelar, como supervisora educacional. A escola funciona em dois turnos, manhã e tarde, de manhã, das 07h30minhrs às 11h30minhrs, e a tarde, das 13h30minhrs às 17h30minhrs. Abrangendo a pré-escola ao ensino fundamental. Em relação ao espaço físico, possui 10 salas de aulas, secretaria, pátio, cantina, área de recreação, 3 banheiros masculinos e femininos.
O estágio I vem dar uma concentração maior da observação para o trabalho de relatório de Educação Infantil e nos iniciais do Ensino Fundamental para que o educador na área do ensino venha ter um crescimento mútuo de total transformação, aprendizado e acima de tudo faça a clareza do investimento do que aprendeu compartilhando para o desenvolvimento incondicional como educador dentro do ensino – aprendizagem. Para o pensador da uma ênfase Call Rogers:
                                         Neste clima de promoção do sentimento, a aprendizagem tende
                                       a ser mais profunda, processa-se mais rapidamente e ser mais
                                                penetrante na vida e no comportamento dos alunos do que apren
                                              dizagem realizada na sala de aula tradicional. Isso se dá porque
                                              a direção é auto-escolhida, a aprendizagem é auto-iniciada e as
                                              pessoas estão empenhadas no processo de uma forma global
                                              com sentimentos e paixões tanto quanto com intelecto.(p.97)
o ensino aprendizado deste nível passa a ser muito diferenciado, é a hora que o aluno tem a sua visão diferenciada; devido já está pronto para caminhar sozinho e ter seus próprios desejos e vontade, questionando, e o educador passa a trabalhar com as diferenças de forma gradativa; isto é; saber contextualizar o assunto de forma natural, processual, didaticamente e analisar ao seu redor para não ter problemas no ensino. Através deste trabalho, o profissional especializado, o educador, trabalha de forma incondicional para que as disciplinas trabalhadas de forma explicativas, busque no seu mundo interno o conhecimento, de forma dinâmica para evoluir no seu raciocínio lógico, social, emocional e acima de tudo, a visão de um ser pensante e critico, precisando ter compreensão  da estrutura familiar, em que o aluno possa sentir confiança em si mesmo, sendo a família a base de tudo.


2 . DESENVOLVIMENTO
2.1 Fundamentação teórica dirigida a Educação Infantil

A Educação Infantil ou primeira etapa da educação básica teóricamente falando, é fundamentada na lei nº 9394/96, e tem como finalidade odesenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físicos, psicológicos, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. A Educação Infantil é oferecida em creches e pré-escolas, e a sua avaliação é feito mediante acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção.As propostas pedagógicas das instituições de Educação Infantil, devem respeitar os fundamentos norteadores como os princípios éticos da autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do respeito ao bem comum; Princípios políticos dos Direitos e Deveres de cidadania, do Exercício da criticidade e do respeito à ordem democrática;Princípios Estéticos da sensibilidade da criatividade da ludicidade e da diversidade de manifestações artísticas e culturais.O Ensino fundamental com duração mínima de oito anos, obrigatório e gratuito na escola pública, terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo, a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político,, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade, o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo emvista a aquisição de conhecimento e habilidades e a formação de atitudes e valores; o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que assenta a vida social.Os PCNs (1997 p.9) norteiam o ensino das diferentes disciplinas nas séries do ensino fundamental como forma de possibilitar ao aluno: “(...) questionar a realidade, formulando-se problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de analise critica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação”.Os PCNs trazem orientações e sugestões para haver mudanças na prática de sala de aula, e prestam a orientar o planejamento escolar, as ações de reorganização do currículo e as reuniões com professores e pais. Educação Escolar é aquela que ocorre por meio do ensino, em instituições próprias. Significa que a LDB cuida somente da educação escolar, os outros processos formativos, que ocorrem em outras instâncias sociais,que podem ser considerados educação, e que visam preparar o aluno para o trabalho e para o convívio social. A legislação é um conjunto de leis, e o que diz respeito a escola, há o regimento escolar, que são regras que determinam a organização administrativa, didática e pedagógica, disciplinar, estabelecendo a forma de trabalho, as normas para realizá-lo, assim como os direitos e deveres de todos os que convivem no ambiente. Define os objetivos da escola, os níveis de ensino que oferece e  como ela opera. Divide as responsabilidades e as atribuições de cada pessoa, evitando que o gestor concentre todas as ordens, todo o trabalho sobre nas suas mãos, determinando sem democracia o que cada um deve fazer e como deve fazer.Essas normas e leis que são regido nas escolas, é decorrente da reflexão da escola sobre si mesma. Mas, deve seguir a legislação e ordem que são aplicadas no País, Estado e Municípios. É importante conhecer todos os aspectos da educação e refletir sobre o assunto é indispensável à quem pretende trabalhar com educação infantil, em função de toda trajetória desse nível de ensino, uma vez que,popularmente, o conceito é de que a criança entre o nascimento e os seis anos de vida vai à escola somente para brincar4 ou se preparar para o ensino fundamental, considerado, muitas vezes, mais importante.De acordo com as pesquisas de diversas áreas, é grande o desenvolvimento das crianças até os seis anos de idade. Nesse período ocorrem avanços muito significativos na linguagem, no movimento, na socialização entre tantos e não se pode tratar de forma displicente o trabalho educativo com as crianças. Enfim, o trabalho pedagógico na escola de educação infantil tem objetivos sérios de aprendizagem. A criança não tem que crescer para ser valorizada como pessoa ou para considerar o seu trabalho escolar importante. O professor e os demais profissionais da área, devem estar sempre atentos para diversas situações que ocorrem nas escolas, que podem afetar o desenvolvimento da criança de forma grave ou não, podemos citar aqui o Bullying, que é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um individuo ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar, agredir, aborrecer outros indivíduos incapazes de se defenderem ou não darem atenção aquela situação (Bullying). O Bullying é freqüentemente usado para descrever uma forma de assedio interpretado por alguém que está, de alguma forma, em condições de exercer o seu poder sobre alguém ou grupo mais fraco. Segundo o cientista norueguês Dan Owelus, o bullying é definido em três termos principais: Comportamento agressivo e negativo; Comportamento repetitivo; Desequilíbrio de poder num relacionamento entre as partes envolvidas. O bullying divide-se em duas categorias: direto e indireto ( também conhecido como agressão social). O bullying direto é a forma mais comum entre os agressores masculinos. A agressão social ou bullying indireto é a forma mais comum em bulies do sexo feminino e crianças pequenas, e é caracterizado por forçar a vitima ao isolamento social ou apenas aborrecê-la. Este aborrecimento é obtido através de uma vasta variedade de técnicas, que incluem: Espalhar comentários; Recusa em se socializar com a vitima; Intimidar outras pessoas que desejam se socializar com a vitima; Criticar o modo de vestir, cor da pele, etnia, religião, incapacidades, etc.. O bullying pode ocorrer em situações envolvendo a escola ou faculdade, o local de trabalho, os vizinhos e até mesmo países. Qualquer que seja a situação, a estrutura de poder (bullying) é evidente entre agressor e a vitima. Para aqueles fora do relacionamento parece que o poder do agressor depende da forma de côo a vitima recebe o bullying, ou como reage àquela agressão. Todavia, a vitima geralmente tem motivos para temer o agressor, as vezes reage violentamente, devido as ameaças continuas de agressão. Pesquisas indicam que adultos agressores têm personalidades autoritárias, combinadas com fortes necessidades de controlar ou dominar. Outros estudos têm mostrado que a inveja e o ressentimento podem ser motivos para a prática do bullying, em desacordo com a crença popular, há pouca evidência que sugira que os bulies sofram de qualquer déficit de auto-estima. O bullying não envolve necessariamente criminalidade ou violência. Por exemplo, o bullying frequentemente funciona através de abuso psicológico ou verbal. Os bulies usam principalmente uma combinação de intimidação e humilhação para atormentar  e aborrecer os outros. O bullying pode acontecer em qualquer contexto no qual os seres humanos interajam, tais como escolas, universidades, famílias, empresas ou entre vizinhos. Em escolas, o bullying geralmente ocorre em áreas com supervisão adulta mínima ou inexistente. Ele pode acontecer em praticamente qualquer parte, dentro ou fora do prédio da escola. Os que sofrem o bullying acabam desenvolvendo problemas psíquicos muitas vezes irreversíveis, que podem levar a atitudes extremas como o que ocorreu com Jeremy Wade Delle, Jeremy se matou em 8 de janeiro de 1991, aos 15 anos de idade, numa escola na cidade de Dallas, Texas, EUA, dentro da sala de aula e em frente de 30 colegas e da professora de inglês, como forma de protesto pelos atos de perseguição que sofria constantemente.Em muitos casos , as vítimas dos  bullyings processaram tanto as famílias dos agressores quanto as escolas. Como resultado destas tendências em muitos países, passaram a desencorajar fortemente a prática do bullying, com programas projetados para promover a cooperação entre os estudantes, bem como o treinamento de alunos como moderadores para intervir na resolução de disputas.


2.2 Fundamentação teórica do trabalho realizado

Entendo que através desse trabalho, iremos pensar numa ação concreta e trabalhar as utopias e projetar mudanças para metas comuns, que venham intervir na realidade escolar.
Quando existe dentro da escola, o projeto político pedagógico, torna-se bem mais fácil o planejamento anual, sabendo que a capacidade de cada profissional será bem mais produtiva, dentro de um contexto de educação e aprendizagem qualitativa.
Portanto, considera-se que o trabalho desenvolvido nesta instituição, foi realizado dentro das normas do projeto político pedagógico,contribuindo assim para a democratização da sociedade em busca de qualidade na educação.
O objetivo maior, é pesquisar a importância da educação infantil na formação da criança, no seu processo de desenvolvimento, e como a escola e demais profissionais da área age neste aspecto sobre cada alunado inserido nesse segmento, isso considerando os princípios que norteiam as práticas educativas. Para que isso aconteça, a escola trabalha com plantão pedagógico, onde os educadores reúnem-se com os pais para dialogar sobre o bom desenvolvimento dos alunos, esclarecendo assim o rendimento escolar dos mesmos. O educador cria clima em sala de aula de respeito e integridade, visando o relacionamento do aluno de forma a motivar o companheirismo e principalmente respeitando os valores e as diferenças de cada um.
Os professores da Educação Infantil realizam muitas tarefas: são contadores de historias, resolvem conflitos, hora são lideres e hora observadores, guardiões, instigadores, apaziguadores, estrategistas, planejadores e produtores de conhecimentos. A atuação dos professores da Educação Infantil deve ser embasada em grande conhecimento teórico e estar ciente de sua responsabilidade na formação desses pequenos seres. É uma caminhada que envolve o crescer, o ser e o permitir-se sentir. Portanto, este estágio I vem dar uma concentração maior na observação para o trabalho de relatório da Educação Infantil, para que o professor ou facilitador venha ter um crescimento mutuo de total transformação.


   2  Caracterização da realidade da escola/instituição:

CEIF Margarida Bruno de Avelar, localiza-se no Conjunto tapajós, Rua Barlaventos, No. 17, no Bairro do Tapanã, distrito de Belém, Estado do Pará. A escola situa-se numa área dentro do conjunto Tapajós, em uma casa que está em processo de adaptações, pois não foi projetada para funcionar como escola, em seu entorno, as ruas são asfaltadas, apresenta pouca arborização ao seu redor, causando assim alta na temperatura, principalmente no verão. Em relação ao aspecto humano, calcula-se a existência de oito mil famílias nas adjacências da escola. No aspecto religioso, observa-se uma diversidade. Observando-se o grau de escolarização da comunidade escolar (pais e responsáveis ) constata-se um baixo nível, pois o nível de analfabetos é expressivo, fato observado na própria escola, quando os pais e/ou responsáveis não conseguem auxiliar seus filhos em suas atividades simples de interpretação de atividades para realizar em casa. A população é basicamente constituída de pessoas que sobrevivem com salários baixos (mínimos). A atividade socioeconômica dos moradores é diversificada. As residências dentro do conjunto são todas em alvenaria com aspectos de conservação boas, já as residências dos arredores, grande parte são também de alvenaria, mas existem muitas de madeiras com telhas de barro, algumas em terrenos alagados e sem saneamento básico (rede de esgoto e água encanada e tratada). Em relação ao lazer e recreação destas famílias, pode constatar-se quase inexistente, apesar de serem fatores básicos na vida de um cidadão.


3.1 Histórico da instituição
A Escola Margarida Bruno de Avelar, foi fundada no ano de 2003, e construída com o objetivo de suprir as necessidades educacionais da comunidade do conjunto Tapajós e arredores. Foi criada por três mulheres que se tornaram sócias e com o mesmo objetivo, que é o de contribuir na educação de crianças de baixa renda. O nome Margarida Bruno de Avelar, foi escolhido em homenagem, em pleno acordo, a uma professora que era tia de uma das sócias da escola, mais tarde a casa foi expandida para dar lugar  e funcionar a escola, hoje com dez salas de aulas, três banheiros , copa, área de recreação, pátio e secretaria.
As aulas acontecem em dois turnos, manhã e tarde, com ensino infantil e fundamental até o 5º. Ano
A escola foi legalizada no ano de 2005, e conta com 20 (vinte ) funcionários.
A gestora atual é a Sra. Leci Barata. As coordenadoras pedagógicas são Beth Avelar e Isabela Avelar. A escola atende uma demanda, esse ano de 2011, de 120 (cento e vinte ) alunos , e é mantida pelos pais, através de mensalidades, já que é uma escola privada.
A escola não mede esforços para se tornar referencia quando se trata em qualidade de ensino e educação, implantando projetos na comunidade e capacitação de professores.

3.2 Estrutura física da instituição
O espaço físico da escola observado, não tão amplo, encontra-se segundo a coordenadora da escola Sra. Beth Avelar, em expansão e adaptações para melhor receber a clientela estudantil. Comporta no seu espaço 10 (dez) salas de aulas, das quais 4(quatro) são reservadas e organizadas para atender os alunos da educação infantil, e as outra 6(seis) para o ensino fundamental, existe uma área para recreação que também serve como pátio de entrada e saída dos alunos e de todos os que transitam na área escolar (alunos, pais e/ou responsáveis dos alunos, funcionários, etc...), uma secretaria, uma lanchonete, área de serviço  2 corredores e área que comporta a dispensa de material didático.

3.3 Plano Político-pedagógico/Projeto pedagógico da escola / instituição

É um instrumento de trabalho que mostra o que vai ser feito, quando, de que maneira, por quem para chegar a que resultado. Além disso, explicitam uma filosofia e harmonia as diretrizes da educação nacional com a realidade da escola, traduzindo sua autonomia e definindo seu compromisso com a clientela. É a valorização da identidade da escola e um chamamento à responsabilidade dos agentes com as nacionalidades interna e externa. Essa idéia implica a necessidade de uma relação contratual, isto é, o Projeto deve ser feito por todos os envolvidos, daí a importância de que seja elaborado participativa e democraticamente.
Evidenciamos aqui os termos político e pedagógico, procurando uma justificativa do projeto dentro da escola. O Projeto é político por estar introjectado num espaço de sucessivas discussões e decisões, pois o exercício de nossas ações está sempre permeado de relações que envolvem debates, sugestões, opiniões, sejam elas contra ou a favor.
A participação de todos os envolvidos no Projeto Político Pedagógico da escola, as resistências, os conflitos, as divergências, são atos extremamente político. Logo concordamos com Aristóteles quando afirma que “todo ato humano é um ato político”.
O Projeto é pedagógico por implicar em situações específicas do campo educacional, por tratar de questões referentes à prática docente, do ensino aprendizagem, da atuação e participação dos pais neste contexto educativo, enfim, de todas as ações que expressam o compromisso com a melhoria da qualidade de ensino. O Projeto Político Pedagógico tem um caráter dinâmico e não acontece porque assim desejam os administradores, mas porque a escola se preocupa com o destino de nossas crianças e da sociedade e ansiamos por mudanças. Sendo assim, o Projeto Político Pedagógico é planejado, organizado por toda comunidade escolar. O Projeto Político pedagógico foi construído tendo por base tarefas simples, possíveis de serem executadas no dia-a-dia da escola, propondo uma educação de qualidade, considerando os principais problemas que interferem no bom desempenho dos alunos, definindo e aprimorando seu modelo de avaliação.
A forma para a construção, elaboração e criação do projeto Político Pedagógico é a forma coletiva, na qual alunos, professores, orientadores, supervisores, funcionários, família e comunidade discutem o Projeto Político Pedagógico. É através das discussões e das necessidades individuais tornadas coletivas, que o projeto Político Pedagógico passa a ser desenhado na cabeça das pessoas, para que possa ser colocado em prática pela escola.

3.4 Leitura da realidade da escola/instituição.
Como já foi citado anteriormente, a escola CEIF Margarida Bruno de Avelar,é uma escola pequena,com dez salas de aulas,uma secretaria, três banheiros,uma cantina, uma área de recreação, onde funciona como pátio e espaço para reuniões. Conta com vinte funcionários e duas estagiarias, que ajudam a professora com os alunos da educação infantil.
A escola trabalha dentro da legalidade que lhe é proposta, e com o projeto político pedagógico, que ajuda os professores na formulação de suas atividades em classe e extraclasse, tornando assim, essa instituição de ensino, uma instituição acolhedora eficaz no seu compromisso com a educação.

3.5 Relato das observações na turma da prática de estágio.

O estágio I realizado na Escola CEIF Margarida Bruno de Avelar, se deu de maneira satisfatória, pode-se proporcionar aos educados momentos e condições para sua formação, pessoal, psíquica e emocional, visando o aprendizado dos mesmos através das atividades realizadas em sala de aula e extra-classe.
Contudo, foram observados alguns pontos negativos em relação aos recursos materiais e infra-estrutura da escola, pode-se tomar como exemplo a falta de uma área exclusiva de recreação para a educação infantil, e a falta de brinquedos como balanços, gangorra e outros que ajudam as crianças nas atividades de descontração.
Como aspecto positivo, pode-se ressaltar, a colaboração da professora regente da sala de aula e de outros profissionais que se dispôs a ajudar e que acrescentaram contribuindo para que este projeto se realizasse da melhor forma possível e que transcorresse conforme o planejado; o estágio I veio, ainda, acrescentar no aspecto profissional, pois deu a oportunidade de aprimorar a prática docente e adquirir novas experiências. 

3.6 Leitura da realidade da sala de aula.
A realidade da sala de aula, é normal, levando-se em consideração a forma como os alunos são incentivados a produzir objetos artísticos para serem expostos na data determinada; foi utilizado materiais como massa de modelar, papel, tinta e sucatas, a partir desse material os alunos produziram desenhos livres, pequenos objetos do cotidiano das crianças como casa, carro e também a produção de jogos educativos.
Esses materiais, são transformados em pequenas criações das próprias crianças, são criações que chamamos de arte, arte produzidos pelas mãos de crianças que podem criar e desenvolver seus potenciais dentro da sala de aula.
Dentro da sala de aula , as crianças também aprendem a manusear objetos fornecidos pelo professor, como repicar papeis, colagem e outros, onde é trabalhado e desenvolvido a coordenação motora e a psico-motricidade através de corridas de obstáculos, jogos e etc. onde aprendem também, a capacidade de organização do esquema corporal e a função de interiorização.

3.7 Caracterização dos alunos com ênfase pedagógica.

A partir do momento que a escola percebe a dificuldade do cotidiano das crianças dentro da sala de aula, imediatamente a coordenação juntamente com os professores sentam e procuram resolver as dificuldades dos alunos da melhor maneira possível. E é a partir daí que, é detectado a deficiência do aluno, que os professores procuram criar métodos e estratégias para ajuda-los a superar suas dificuldades de aprendizagem. A professora, ao perceber que a criança está com dificuldade em assimilar o assunto quer esta sendo estudado, ela, pacientemente, volta com o conteúdo, explicando novamente de forma diferente para que o aluno venha assimilar o conteúdo proposto, assim sendo, o aluno chega a uma aprendizagem de forma a desenvolver o seu conhecimento nas atividades que lhes são apresentadas no decorrer das aulas. Então, através desse processo, desse meio, o professor procura encontrar soluções para toda e qualquer dificuldade do aluno em sala de aula.

4 Projeto

4.1 Tema/ temática

Aprendendo através das Artes

4.2 Turma

Jardim II

4.3 duração

 2 semanas

4.4 justificativa


Pular, correr, saltar, dar cambalhotas, apreciar um belo quadro, mexer na argila, passear pelas ruas,massa de modelar, brincar na areia, etc, são formas de valorizar aspectos como: crença,valor, moral,ética e arte, uma vez que constituem manifestações essenciais para o desenvolvimento estrutural do ser humano. Pois, como frisa Queiroz (2003), arte é a capacidade humana de expressar suas idéias, sensações e emoções por meio de criações estéticas, diferentes formas e regras para realizar uma atividade ou oficio (p.53).
Assim, é preciso compreender a arte num universo amplo, onde o homem percebe-se como um ser que cria e recria, e no meio em que  vive, estabelece significados, expressões, representações e formas. A arte enquanto linguagem possui códigos, símbolos, formas, culturas, enfim, diversidades locadas no espaço, por outro lado, a arte é discussão temporal, quando se compromete com o processo educativo, observando os diversos aspectos evolutivos da criança, que iniciam com a garatuja, seguidos de movimentos de traços, de corpo e de som, considerando suas dificuldades e descobertas.
Logo, o simples ato de brincar e rabiscar na areia, construir castelos, montar casinhas etc. proporcionam as crianças movimentos prazerosos, que jamais serão esquecidos de sua infância. Portanto, é imprescindível que a criança tenha contato com todo tipo de material que venha lidar condições de criar, recriar, montar, desmontar, construir e reconstruir tudo a sua volta, proporcionando-lhes momentos mágicos de novas descobertas a cada instante de suas vidas.
Pois, segundo Lowendfeld (1977), a criança estabelece suas primeiras relações entre os objetos através de sua participação emocional do seu interesse e dos seus impulsos (p.27). Sendo assim, este projeto visa favorecer, trinta e duas crianças que estão inseridos na educação infantil, na faixa etária de cinco anos.


4.5 objetivo geral

Proporcionar a criança momentos de lazer e descontração, despertando o interesse pelas diversas formas de expressões artísticas desenvolvendo assim, seus aspectos cognitivos, afetivos e psicomotores, vivenciando a construção do conhecimento através do lúdico.


4.6 objetivo especifico

- Compreender que a arte faz parte do seu cotidiano.
- Estimular a criatividade dos alunos.
- Propiciar a oportunidade de desenvolver o raciocínio e a imaginação do aluno.


4.7 referencial teórico do projeto

De acordo com a pesquisa feita, a escola CEIF Margarida Bruno de Avelar, possui projeto político pedagógico, pois possibilita assim, o trabalho coletivo a partir de um eixo de vivencia da comunidade. A metodologia esta adequada a concepção da instituição, e os professores da educação infantil, costumam integrar o conteúdo das suas disciplinas trocando experiências. Aqui a avaliação é contínua, formativa e diagnostica, e os professores analisam as avaliações desenvolvidas pelos alunos, visando a melhoria do processo ensino-aprendizagem.
A filosofia teórica em que a escola se baseia, para implementar esse projeto, tem Paulo Freire como referencial, pois, seu ponto de partida é uma filosofia crítico-participativa e transformadora. É através da pedagogia libertadora que a escola procura se basear, inserindo-se no meio social, tentando transformar a sociedade, e conceituando a educação para a evolução tecnológica. Assim, a educação é um conjunto de relações estabelecidas pela família, escola e outras instituições que o cidadão convive, possibilitando a convivência social que é construído por toda a vida.

4.8 conteúdo proposto

Serão repassados de forma que se adéqüe ao projeto de desenvolvimento o qual o aluno se encontra, e de acordo com a realidade do estudante anteriormente selecionado e revisado pelo professor, que transmitirá objetivamente, com linguagem clara e acessível para que os educandos aprendam sempre fazendo um paralelo com o cotidiano.


4.9 metodologia

É baseada na construção acessíveis à capacidade de aprendizado, através de projetos que facilitem a interação entre professores e alunos, tornando o ambiente escolar ainda mais agradável e proveitosos a ambos.
 


4.10 aplicação metodológica, análise e considerações sobre a docência

A metodologia é aplicada através de atividades desenvolvidas em classe e extra-classe,trabalhando também o lúdico para que as crianças sejam estimulados a participarem de ações integradas de entrosamento social. É importante ressaltar, que a participação expressiva do aluno nas atividades depende do professor como orientador e facilitador da aprendizagem, havendo assim, um maior entrosamento entre professor-aluno, satisfazendo esse momento de interação que foi observado e analisado como um ponto positivo dessa instituição.
O desenvolvimento de todo esse projeto, pode proporcionar uma maior visão de diferentes metodologias usados pelos professores, pois nem sempre o que aprendemos colocamos em pratica. Conscientizando os educadores que a criança é um ser capaz e que o professor não é o detentor de conhecimentos, mas, que ambos podem crescer e aprender juntos, dando assim, maior importância ao convívio e interação com o meio, e a participação ativa e reflexiva.

4.11 Recursos utilizados

-mistura de cores (aquarela);
-formas de expressões (teatros vivos de bonecos);
-musicalização;
-modelagem (com massa de modelar e argila);
-colagem (mozaico);
-pinturas (individuais e coletivas);
-trabalhos com sucatas;
-jogos;
-desenho livre;
-brincadeiras com obstáculos;
-sentar na bola;
-concurso de dança;
-corrida de saco;
-cabo de guerra;
-passar a bola;
-contar histórias.

4.12 avaliação

Dar-se-á de forma continua e processual, a partir da observação diária do desenvolvimento biopsicosocial, respeitando o ritmo e a subjetividade de cada criança, no decorrer da efetivação do projeto, partindo dos avanços alcançados em conseqüências e desafios propostos das atividades planejadas e desenvolvidas com as turmas da unidade durante esse período.

4.13 referencias bibliográficas

Arte e Educação/ [obra] organizada pela Universidade Luterana do Brasil [Ulbra] – Curitiba; Ibpex, 2008.

Brasil. Ministério de Educação do Desporto. Secretaria de educação funtamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília; MEC/ CEF. 1998.

Desenvolvimento da linguagem humana/ [obra] organizada pela universidade luterana do Brasil 9ulbra0 – Curitiba; Ibpex, 2008.

Lowenfeld,  V. A criança e sua arte. São Paulo; mestre Joul, 1977.


5     Considerações finais
Neste trabalho de estágio supervisionado, foi observada a atitude de uma escola comprometida com o bom desenvolvimento de sua clientela. A CEIF. MARGARIDA BRUNO DE AVELAR busca em seus projetos, colocar em prática o bom aprendizado de seus alunos. Apesar do pouco espaço, a escola propicia bons momentos de lazer, utilizando jogos, brincadeiras diversas, mas tudo ordenadamente para que seus objetivos sejam alcançados, dentre os quais: Qualidade e Eficiência que estão sugestionados no lema da escola: NOSSA MISSÂO: O COMPROMISSO COM A QUALIDADE E A EFICIÊNCIA DO ENSINO.  Nesse período também foi observada a professora de classe, que procura desenvolver dentro de sala de aula uma linha de pensamento teórico-crítica da educação, tendo como base os alunos, na formação de verdadeiros cidadãos e participativos.



                                          DEDICATÓRIA


Dedico este trabalho á DEUS, meu eterno salvador, em primeiro lugar. Depois aos meus pais, parentes e amigos que também me auxiliaram nesta jornada.